Diagnóstico Genético Pré-implantacional de doenças cromossômicas e monogênicas e Implicações técnicas de biópsia embrionária foram temas debatidos no Embryo Talks SP

Conhecer a estrutura genética do corpo humano e compreender como alterações sutis (uma letrinha fora do lugar) podem determinar a cor dos olhos ou alterar o fluxo de uma vida era tema de ficção científica que se tornou realidade e rapidamente se incorpora à rotina médica.
O mapeamento genético auxilia o diagnóstico muito precoce de uma condição de saúde, e pode fornecer evidências sólidas de que uma doença hereditária está ligada a um ou mais genes.
O Diagnóstico Genético Pré-Implantacional (PGD) é uma técnica que permite conhecer o perfil genético dos embriões a serem implantados como também dos óvulos antes da fertilização. É um procedimento adjuvante da Fertilização in Vitro
(FIV), usado para detecções de condições genéticas ou doenças antes que o embrião seja implantado no útero. O PGD é utilizado para fazer mapeamento de uma ampla gama de anormalidades médicas como as doenças hereditárias, como,
por exemplo, a Síndrome de Down, e traços de outras diversas desordens fisiológicas.
Outra técnica muito utilizada foi discutida em seguida: Implicações técnicas de biópsias embrionárias, hoje há possibilidade de fazer um exame feito por biópsia de uma ou mais células de um embrião, com o objetivo de detectar alterações genéticas antes da transferência para o útero materno. Assim, apenas os embriões sem esse tipo de alteração são implantados.

Diagnóstico Genético Pré-implantacional de doenças cromossômicas e monogênicas e Implicações técnicas de biópsia embrionária foram os temas ministrados pelo Dr. Ciro Martinhago, no dia 22 de maio, no Embryo Talks SP, realizado no Hotel Meliá Ibirapuera, em São Paulo. A participação da Chromosome na Embryo Talks SP foi uma parceria com a Merck.

Digite um comentário